segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Dependência Afetiva

Oi Princesas!  =)

Hoje passei por aqui para falar sobre uma coisa que infelizmente tem sido muito comum nos relacionamentos, a dependência afetiva. Quantas pessoas que você conhece, vem sofrendo desse mal né?! Ou quem sabe até mesmo você! Então aproveite para ler esse artigo e compartilhar com seus amigos.

A dependência afetiva, geralmente acontece quando eu condiciono a minha “felicidade” baseando-me em algum relacionamento, que por muitas vezes não é sadio.  Tem gente que não sabe viver sozinho, e fica arrastando um namoro sem futuro, mendigando amor, carinho, afeto...se você se reconheceu nessa situação, é melhor por um ponto final. Nós fomos criados para amar, e o amor só tem sentido se for para edificar, caso contrário perde o fundamento.

Sabe aquele casal que vive num eterno vai e volta?! Pois bem, esse é um sinal de quem vive a dependência afetiva. As vezes, a pessoa até reconhece que aquele relacionamento só faz mal, que aprisiona e assim se encoraja a colocar um ponto final naquela história.

No primeiro momento a pessoa sofre, chora, não pode ouvir tal musica, sentir tal cheiro...mas com o passar dos dias as coisas vão se ajeitando, a pessoa até começa dar passos rumo a liberdade, mas ainda não está liberto de verdade. Vez ou outra pergunta para um amigo se tem noticia do “ex”, dá sempre uma passadinha no Facebook para vigiar onde e com quem ele passou o final de semana, fica por horas relendo as conversas que tiveram no Whatsapp...de repente quando percebe já está mandando mensagem novamente, na intenção de ter atenção e logo na primeira oportunidade tem a famosa recaída e acaba voltando, com a desculpa de que não sabem viver um sem o outro.




Que erro hein!

Não tenha medo de romper definitivamente, não se prive de atravessar esse deserto.  Nos boicotamos o tempo todo quando não sabemos viver o desconforto que nos edifica.

Renuncia = Desconforto.

Saiba deixar para trás aquilo que te leva para trás. O desconforto bem vivido, nos torna melhores.

Não seja como o povo Hebreu, que enquanto caminhava rumo a terra prometida, murmuravam contra Moisés, sentiam saudades do tempo da escravidão e ficavam “chorando as cebolas do Egito”.


Deus te fez para a L-I-B-E-R-D-A-D-E.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Nasceu um príncipe!

A última vez que estive aqui compartilhei com vocês minha preocupação com uma pregação marcada para o dia 18/07/15. Pois é... Deus queria me ensinar...

Me lembro quando era criança amava brincar de escritório. Montava em cima da maquina de costura da minha vó minha mesinha que tinha papeis, canetas, telefone, e calculadora. Colocava um óculos e lá imaginava que eu era uma secretária ou algo parecido.
Um dia eu estava sentada na minha atual mesa de trabalho e me veio na memória que tudo aquilo que eu brincava ter eu tinha. Uma mesa com papeis, calculadora, telefone, canetas, e outras coisas necessárias, apesar de não ser uma secretaria, trabalho exatamente num ambiente como aquele que na infância eu sonhava. Você pode pensar que eu me senti realizada, mas não. Ali comecei a questionar o Senhor... por que? Eu deveria me sentir realizada e plenamente feliz. Trabalho numa ótima empresa, gosto do que faço, gosto dos meus colegas e chefes, e era meu "pequeno e simples" sonho de infância.
Aprendi com o Senhor ao longo do tempo que não me sentia realizada pois aquilo que me realiza é minha vocação!

Me lembro também da minha primeira pregação.... tinha 16 anos e fui falar sobre o pecado do "ficar". Na época não tinha esse nome, mas já acontecia e já era destrutivo para os jovens.
Uma pregação que gerou muita polêmica e bençãos, a partir dela descobri um ministério que eu amava. E por causa do ministério de pregação até deixei de lado meu ministério de essência que é a música para me dedicar e estudar naquilo que o Senhor me chamava.

Pois aí entra meu último aprendizado... apesar de amar o ministério de pregação essa também não é minha vocação, e por isso não pode estar em primeiro lugar na minha vida.

Fui ao médico dia 14/07/15 estava sentindo algumas dores, mas após me examinar a médica disse que eram contrações de teste, que o útero estava bem fechado sem sinais de que o bebe nasceria naquela semana. Marcamos então a próxima consulta para o dia 23/07.
Fiquei muito feliz e disse para o meu marido: eu estarei lá no retiro sábado(18/07) pregando, se Deus quiser!!!
Mas muitas vezes falamos "se Deus quiser" sem pensar nesse querer de Deus.
Na manhã de sexta dia 17 do trabalho mandei uma mensagem para Bia (organizadora do retiro) dizendo que eu estava bem e para que ela avisasse a equipe para acalma-los.
Após o almoço comecei a ter um leve sangramento que é a muco que sela útero se desprendendo. De acordo com o médico isso é comum acontecer e nem sempre é sinal de que o bebe vai nascer nas próximas horas.
Fui para casa e fiz repouso para estar bem no sábado no retiro.

A noite comecei a passar meu roteiro de pregação a limpo, mas tive que parar no meio para arrumar a mala de maternidade. (Sim, sou dessas que deixa tudo para última hora)
Quando olhei para minha mesinha vi de um lado a Bíblia e todas as anotações de 3 meses de preparação e de outro roupinhas e fraldas.
Confesso (com arrependimento) que não queria ter que arrumar aquela mala naquele instante e falei para o Senhor: Não podia esperar mais dois dias pelo menos?

Dormi sentindo um pouco de dor.

As 4 horas da madrugada as contrações começaram, as 6:30 estávamos indo para o hospital. As 7:30 demos entrada na internação e fui para sala de pré parto. Meu coração já estava conformado, porém, eu ainda não tinha me concentrado no parto.
Mandei uma mensagem para Louise queria que ela fosse no meu lugar, porém, era o noivado dela, ficamos trocando telefonemas e mensagens até 9:35 hs tentado achar uma solução. Por fim... as dores ficaram mais intensas e decidi me concentrar somente no parto e no meu filho que estava chegando. Agradeço muito ao Senhor pelo Ricardo, meu esposo, que em nenhum momento perdeu a paciência comigo e sofreu tudo ao meu lado.
As 10 horas nasce o Daniel, minha mais nova benção de Deus!!!

A partir daquela hora me senti completamente realizada, feliz, e fui me lembrar do retiro que eu deveria estar somente a tarde quando rezei por eles.

A previsão do parto era dia 30, eu estava com 38 semanas de gestação, Deus podia ter me deixado pregar, mas preferiu me ensinar que os meus passos são d'Ele e que no cumprimento da minha vocação é que Ele precisa de mim!

Quem manda aqui? Deus! Pois um dia eu entreguei, um dia rezei e cantei:

"Os meus passos são Teus, o meu próximo minuto é Seu! Se não for assim NÃO ME DEIXE IR!"
"Dou minha mão para Ti, fecho os olhos e confio em Ti, leva-me Senhor!!!"

Ele nasceu com 3.200 kg com 50 cm de parto normal no dia 18/07 as 10 da manhã. Gente.... ele é lindo!!!!!!!!!
Louvado seja Deus!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Minha vocação é a maternidade!!!



Toda mulher tem como vocação a maternidade, seja ela física ou espiritual! (São João Paulo II)
Obs.: para escrever este artigo parei uma vez para amamentar, acho que poderei voltar mais vezes! ;)

Deus abençoe vocês!
Me perdoem pela breve ausência.
Paz e bem...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...